segunda-feira, 15 de novembro de 2010

FILOMENA


Texto bilíngüe português/español

(Português)

Outro dia minha empregada achou uma cobra verde enquanto barria o jardim. Veio correndo me chamar.

Lá fui eu, de máquina fotográfica em mãos para registrar o novo hóspede da casa a quem dei o nome de Filomena. Logo depois da sessão de fotos, ela decidiu ir embora.

Hoje a moça limpando o pátio novamente deu as caras com uma cobrinha verde. Veio logo me dizer que a cobra tinha voltado.

Lá fui eu de novo e constatei se tratar de uma outra Filomena, uma menor, quem diz não seja Filomena “junior”?

Fotografei a bichinha em vários ângulos. Minha assistente nervosa insistia para que desse um fim no(na) hóspede. Eu falei que não ia matar um bichinho inofensivo, já que essa espécie não é venenosa, e que é útil no jardim cumprindo seu ciclo vital; o máximo que poderia fazer é expatriar-la para o terreno vizinho que é vazio, mas para isso é preciso de alguém que saiba pegar o bicho. Lá ficou a Filomena passeando entre as plantas.

Fiquei pensando, quantas vezes não atuamos assim com as pessoas em volta? Quantas vezes não expulsamos do nosso convívio alguém apenas porque é diferente de nós?

Quando vamos a uma festa normalmente nos aproximamos daquelas(les) amigas(os) que nos são mais chegados. Só estamos interessados em contar e ouvir as últimas fofocas ou discutir as maravilhas do nosso time de futebol. Nem nos passa pela cabeça nos acercar de alguém que está sozinho porque não conhece os outros convidados o por outro motivo qualquer.

Preferimos apertar-nos numa mesa em lugar de ir a outra com uma pessoa que está só apenas porque veste, fala ou simplesmente parece, diferente.

Temos o preconceito “da Filomena”, olhamos por fora sem deter-nos em enxergar a pessoa por dentro.



(Español)

El otro día mi empleada encontró una viborita verde mientras barría el jardín. Vino corriendo a llamarme.

Salí llevando la máquina de fotos para registrar el nuevo huésped al que le di el nombre de Filomena. Después de las fotos, el bichito decidió irse a pasear.

Hoy la chica limpiando el pátio se encontró de nuevo con la viborita verde. Vino corriendo a avisarme que la víbora había vuelto.

Fui a ver y constaté que se trataba de otra Filomena, una más chiquita, ¿no será Filomena “junior”?

Le saqué fotos en vários ângulos. Mi asistente nerviosa, insistía para que diera un fin al huésped. Le dije que no iba a matar un animal inofensivo, ya que esa espécie no es venenosa, y que además es útil en el jardín cumpliendo su ciclo vital; que lo máximo que podría hacer era expatriarla para el terreno baldio al lado, pero para eso necesitaba de alguien que supiese agarrar el bicho. Así que la Filomena se quedó paseando entre las plantas.

Me quedé pensando: ¿cuantas veces no actuamos nosotros de la misma manera con las personas que están a nuestra vuelta? ¿Cuantas veces no expulsamos de nuestro convivio a alguien apenas porque es diferente que nosotros?

Cuando vamos a una fiesta normalmente nos acercamos a aquellas(llos) amigas(os) más íntimos. Lo único que nos interesa es contar y oír los últimos chimentos o discutir las maravillas de nuestro equipo de fútbol. Ni se nos pasa por la cabeza acercarnos a alguien que está solo porque no conoce los otros invitados o por cualquier otro motivo.

Preferimos apretarnos en una mesa en lugar de ir para otra con una persona que está sola apenas porque viste, habla, o simplemente parece, diferente.

Tenemos el prejuicio “de la Filomena”, miramos por fuera sin detenernos en ver la persona por dentro.


Um comentário:

  1. Aqui, além de passarinhos, só aparecem gambás. Mas no Cosme Velho, hoje cedo, tinha uma cobra do tipo venenosa descendo a ladeira. Não dá para ignorar, o jeito é se afastar devagarinho...

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog