quinta-feira, 28 de outubro de 2010

VIVER UM GRANDE AMOR


O comentário de uma grande amiga levou-me a refletir sobre como sempre pensamos que as grandes histórias de amor só acontecem no cinema.
Vamos ao cinema, nos emocionamos com a história do filme, podemos até chorar no final, e depois voltamos para casa com a sensação de que aquela história nada tem a ver com a nossa realidade.
No entanto, a maioria de nós já se apaixonou, já viveu a emoção do primeiro encontro, já chorou quando ficou a esperar um telefonema, carta ou e-mail que não chegou. Já namorou e partiu para a vida matrimonial com o entusiasmo de viver um grande sonho feito realidade.
Então, por que não estamos “vivendo um grande amor”? Por que parece que sonhos de amor só ficam na telinha ou na telona?
Porque nos acostumamos com esse rosto que vemos todos os dias e deixamos de “enxergar” nele o grande amor a nossa vida.
Passamos a dar tanta importância ao trabalho, ou a casa impecável, que deixamos de nos preocupar com os “donos” desse trabalho ou dessa casa: nós como casal apaixonado. Deixamos escapulir das mãos os possíveis momentos de curtir a sós, que manteriam a chama do grande amor sempre acessa. Assim aos poucos o “grande” amor vira “pequeno” amor, e depois vai morrendo devagarzinho sufocado pelo corre-corre do dia a dia, do emprego ou dos negócios, pelo nervosismo de ter ficado horas na fila do banco, do trabalhão de levar e trazer as crianças para a escola, o inglês, a natação, o judô e não sei mais o quê (será que os filhos não precisam de menos cursos e mais tempo para brincar?)
Matamos o “grande amor da nossa vida”, e passamos a ir ao cinema para viver o “grande amor de mentirinha”.
Que tal parar de vez em quando para voltar ao passado e resgatar a nossa bela história de amor? Ela é só nossa, e podemos viver-la todos os dias, 24 horas por dia.
É só colocá-la no primeiro plano a nossa vida. Dar a ela mais importância que à reunião com os amigos, ou que a uma tarde no shopping.
É só dar uma paradinha de tanto em tanto no nosso dia para olhar no rosto do nosso companheiro (a) e ver nele(a) aquela pessoa pela qual nos apaixonamos e estampar-lhe um beijo mesmo que pareça fora de hora, ou oferecer-lhe flores mesmo que não seja o aniversário.
Não deixemos de viver “um grande amor” todos os dias da nossa vida. Façamos da “nossa história de amor” o fundo musical de cada um de nossos dias.

2 comentários:

  1. Adorei a sugestão e vou agora mesmo dar um abraço caloroso no meu grande amor! Bom dia Lilia!

    ResponderExcluir
  2. :)
    Para viver um amor é preciso dedicação, atenção, cuidado constante.
    Nenhu,a planta vive sem agua, algumas com pouca, como os cactos, outras precisam de maiores cuidados, nao ensopar nem deixar faltar, como orquídeas...
    Para cuidar de plantas precisamos dedicar um tempo e para cuidar do amor mais ainda...
    Abraços

    ResponderExcluir

Bem vindo ao blog